quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Período de Carnaval - 2016

Povo de Deus, devido as alterações no trânsito no centro da cidade durante o período de carnaval a Matriz de Santa Rita estará fechada de Sábado à Terça. Na Quarta-Feira de Cinzas estaremos juntos nas celebrações das 12h15 e 18h.Fica a nossa dica para você que quer se retirar neste período de folia.

terça-feira, 17 de novembro de 2015

“Meu corpo, minhas regras”. Ponderações sobre uma mentira

“Meu corpo, minhas regras”. Ponderações sobre uma mentira

Deu e está dando o que falar o vídeo com atores da Rede Globo fazendo apologia do abortamento.
O vídeo é inteligente… e diabólico.

Funda-se basicamente numa mentira: que o embrião é parte do corpo da mulher
O embrião é humano, é um ser humano a caminho, com tudo de humano já ali potencialmente presente. Ou é humano e em processo de humanização, ou não o será nunca!
Somos todos humanos, estamos todos em processo de humanização!

Se não é a concepção que nos determina como humanos, o que determina? As nossas regras? As regras da mãe?
A mulher grávida é mesmo senhora da vida e da morte da vida que leva em si? Podem-se matar os dementes, os inválidos, os que se encontram em coma duradouro, os “inúteis” à sociedade do útil e do descartável?
Uma pessoa de bom senso, uma pessoa realmente humana pode concordar com uma aberração dessas?
Além da mentira fundamental, há outras mentiras – nocivas, como toda mentira:

No rastro de um feminismo machista, que avalia a feminilidade e a maternidade como realidades que diminuem a mulher, o vídeo retrata seja o ser mulher como ser mãe como algo que parece necessário negar em si mesmo para ser mulher emancipada!
Esta é a última alienação da mulher: o feminismo machista, que nega o feminino para afirmar a mulher! Nessa ótica, a mulher é emancipada quando se masculiniza. Ternura, doçura, maternidade, feminilidade, capacidade de acolher e gerar vida são sinais de fraqueza e exaltar tais realidades é ideologia alienante e coisa de opressores, de machistas disfarçados…
Não é à toa que o vídeo é feio, grotesco… As pessoas são feias, tornadas feias…

Lamentável a referência vulgar e desrespeitosa à Virgem Maria. 
De ignorância estúpida, a referência à virgindade da Mãe do Senhor como sendo erro de tradução da Tanakh (Bíblia hebraica) para a Setenta (tradução da Bíblia em grego). Nenhum estudioso sério atribui o ensinamento neotestamentário da concepção virginal de Maria à alteração de tradução! É uma referência errônea, maldosa, leviana, desnecessária e desrespeitosa, essa, do vídeo! O objetivo é chocar e agredir a fé dos cristãos! Somente revela a raiz ateia e anticristã dessa concepção abortista que, certamente, tem na sua pauta a destruição da ideia de Deus e do cristianismo. Basta pensar na visão cristã (“O corpo é para o Senhor e o Senhor é para o corpo”) e nesta prepotência pagã e ateia (“Meu corpo, minhas regras!”)
Ainda é de se pensar no escândalo, para esse tipo de pessoas, de uma vida sem sexo, sem prazer sexual… É um escândalo! “Sem sexo? Sem sexo? Sem sexo?”

Sim, sem sexo, porque o ser humano é mais que sexo, porque o sexo foi feito para o homem e não o homem para o sexo;
sem sexo, porque o sexo faz parte da vida, mas a vida não é sexo;
sem sexo, porque o sexo somente humaniza e realiza quando integrado no todo da vida, exprimindo valores sublimes como amor, compromisso, entrega, comunhão…
Algumas lições de tudo isto:
1. Nossa sociedade vai se descristianizando rapidamente. Vão aparecendo cada vez mais comportamentos que não somente são não-cristãos, mas também anti-cristãos, como no caso do presente vídeo. Para essa gente, não basta destruir os valores que alicerçaram e geraram a nossa cultura e a nossa sociedade. É necessário desmoralizar e destruir a matriz geradora, que é a fé cristã – e de modo especial, a Igreja católica.
2. Aparece claro que o “mundo” entregue a si mesmo está marcado pelo pecado que embota o entendimento, despreza Deus e pensa o homem como senhor de si mesmo: EU, MEU… MEU corpo, MINHAS regras… Eis: o bicho que vem do pó e volta ao pó pensando que é Deus, dono do bem e do mal!
3. É impressionante e culpável a passividade e indiferença dos cristãos, que parecem já não acreditar no que creem! É o que mais dói!
Não se trata de guerra santa, de ser rabugento, de ver mal e pecaminosidade em tudo, mas de contrapor-se com a verdade ao intento maldoso de destruir o que é autenticamente humano e cristão.
E tantos que se dizem crentes e cristãos continuarão a aplaudir esses atores que defendem um assassinato e aviltam a Vigem Mãe do Senhor!
Agora é esperá-los, sorridentes e faceiros, no Criança Esperança, em defesa daqueles que escaparam do abortamento que eles defenderam!
Hipócritas eles; omissos nós!

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Papa abençoa estátua e pede que fieis releiam experiência de Sta. Rita no Ano da Misericórdia

Na Audiência Geral desta quarta-feira o Papa Francisco abençoou uma imagem de Santa Rita de Cássia de seis metros trazida do Líbano e que no dia 18 de outubro será instalada na entrada da cidade italiana de Cássia.
“Ao abençoar esta grande estátua da Santa – disse o Santo Padre – convido a todos, no próximo Jubileu da Misericórdia, a reler sua extraordinária experiência humana e espiritual como como sinal da potência da misericórdia de Deus”.
A grande estátua foi colocada na Praça São Pedro às 5 da manhã da terça-feira, 29, e sua remoção será realizada na madrugada da quinta-feira, 1º de outubro. Após, acompanhada por milhares de fieis, a estátua será instalada em uma rotatória na entrada da cidade de Cássia no dia 18 de outubro, de forma a dar as boas vindas aos milhares de peregrinos que visitam anualmente a cidade onde a santa viveu. O Patriarca Maronita Bechara Boutros Raï presidirá uma celebração no Santuário de Cássia.
A obra foi realizada em Ayto, no norte do Líbano, pelo famoso escultor libanês Nayef Alwan, patrocinada pelo mecenas Sarkis Sarkis, muito devoto da santa. O artista trabalhou por meses na obra, baseado em um esboço aprovado em comum acordo com a administração e a comunidade agostiniana de Cássia, dando forma e vida a um gigantesco bloco de pedra extraído das montanhas do Líbano a 2 mil metros de altitude. No início de setembro, a estátua foi embalada e embarcada em um navio até o porto italiano de Salerno.
Na tarde desta quarta-feira um grande grupo de peregrinos participará de uma celebração na Basílica de São Pedro às 15h30, presidida pelo Arcebispo de Spoleto-Norcia.

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Toque de Fé 33 - Curiosidades Bíblicas II


          Olá amado amigo internauta, no vídeo desta semana vamos continuar batendo um papo sobre curiosidades bíblicas.



Não deixe de curtir, compartilhar e assinar o nosso canal.

Fique com Deus!

www.matrizdesantarita.org.br
Email: odiarioderita@gmail.com
Facebook: @MatrizdeSantaRita

terça-feira, 15 de setembro de 2015

Complemento do Toque de Fé 33

Olá amados de Deus

     O TOQUE DE FÉ CONTINUA A TODO VAPOR, CONTANDO COM SUA PARTICIPAÇÃO, SUA AJUDA, COMPARTILHE, CURTA, FAÇA SUA INSCRIÇÃO NO CANAL DA MATRIZ DE SANTA RITA NO YOUTUBE, ASSIM VOCÊ SERÁ COMUNICADO AUTOMATICAMENTE DE NOSSAS POSTAGENS.OK

SEGUE ABAIXO INFORMAÇÕES SOBRE A SAGRADA ESCRITURA REFERENTE AO VÍDEO 33 do TOQUE DE FÉ.

DIFERENTES NUMERAÇÕES E TRADUÇÕES DOS SALMOS

Muitas vezes encontramos em nossas Bíblias e nos folhetos de Missa dois números diferentes em cima de um Salmo. Um número está entre parênteses. E, em geral, a diferença entre os dois números não passa de um. Por que acontece isso?
Precisa ser dito, por primeiro, que os Salmos foram escritos, originalmente, na língua hebraica. Assim chegaram a fazer parte das Sagradas Escrituras do povo judeu. Posteriormente, por sua vez, também os cristãos acolheram essas tradições – e, com isso, os Salmos – como suas Sagradas Escrituras, lendo tais textos como primeira parte de sua Bíblia, ou seja, como Antigo Testamento. “Antigo” indica, neste caso, simplesmente aquilo que existiu por primeiro. 
A numeração diferente dos Salmos, no entanto, tem a ver com as antigas traduções da Bíblia hebraica. Já no século 3º antes de Cristo, surge, como parte da história do povo judeu, a primeira tradução dos textos hebraicos das Sagradas Escrituras para o grego, conhecida como “Septuaginta” ou “Setenta”. Ao traduzir os Salmos, acontece o seguinte: a tradução grega junta os Salmos 9 e 10 e os Salmos 114 e 115. Em cada caso, dois Salmos são unidos para sobrar um só. Com os Salmos 116 e 147, porém, acontece justamente o contrário. Ou seja, o que é um Salmo na Bíblia hebraica torna-se dois Salmos na tradução grega. Com isso, têm-se as seguintes diferenças na numeração:

Bíblia hebraica                      Traduções em grego e latim
Salmos 1-8                             Salmos 1-8
Salmos 9-10                           Salmo 9
Salmos 11-113                       Salmos 10-112
Salmos 114-115                     Salmo 113
Salmo 116, 1-9                       Salmo 114
Salmo 116, 10-19                   Salmo 115
Salmos 117-146                     Salmos 116-145
Salmo 147, 1-11                     Salmo 146
Salmo 147, 12-20                  Salmo 147
Salmos 148-150                    Salmos 148-150

Todavia, existe uma dica que pode ajudar na compreensão da numeração dupla em nossas Bíblias e folhetos de Missa: o número mais alto sempre se refere à numeração no texto hebraico! O número mais baixo, por sua vez, indica a numeração na tradução grega. Aliás, a Vulgata, tradução latina das Sagradas Escrituras e texto oficial na Igreja Católica, mantém a numeração da tradução grega. 
Enfim, de fato é interessante estudar a história do texto bíblico, incluindo a história das antigas traduções. Mais importante ainda, porém, é que acolhamos novamente os Salmos em nossas vidas, tirando proveito de suas palavras, fazendo delas nossas orações.

Dr. Matthias Grenzer, professor de Teologia Bíblica na Faculdade de Teologia da PUC-SP
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (SP)
Publicado em Pergunta do mês/Revista Família Cristã, edição 899.

Evangelho Sinóticos

Os evangelhos de Mateus, Marcos e Lucas são conhecidos como Evangelhos Sinóticos devido a conterem uma grande quantidade de histórias em comum, na mesma sequência, e algumas vezes, utilizando exatamente a mesma estrutura e utilizando até as mesmas palavras.
O nome sinótico vem do grego συν, “syn” («junto») e οψις, “opsis” («ver») -, os assuntos neles abordados correspondiam quase inteiramente, ou seja, são classificados assim, por apresentarem uma mesma visão ou mesmo ponto de vista sobre os acontecimentos.
Você poderá ver a matéria completa no link abaixo.

http://blog.cancaonova.com/hpv/o-que-sao-os-evangelhos-sinoticos/

Citações de textos bíblicos


As citações de textos bíblicos são os endereços das passagens que se encontram na Bíblia, sendo apresentadas sempre na seguinte forma:
1)    O título do Livro (de forma abreviada). Ex.: Mt (Mateus), Ap (Apocalipse), Sl (Salmos), 1Sm (primeiro livro de Samuel).
2)    O capítulo. Ex.: Jo 11 (livro de João, capítulo 11), Pr 1 (livro dos Provérbios, capítulo primeiro ou capítulo um), 1Cor 4 (primeira carta de aos Coríntios, capítulo 4).
3)    O(s) versículo(s). Ex.: Jo 11, 5 (livro de João, capítulo 11, versículo 5), Pr 1, 7 (livro dos Provérbios, capítulo primeiro ou capítulo um, versículo sete), 1Cor 4, 6 (primeira carta de aos Coríntios, capítulo 4, versículo seis).
Porém, frequentemente nos deparamos com citações contendo mais informações, tais como:
a)    Tb 5-6 (Livro de Tobias capítulos 5 e 6, apenas);
b)    Tb 5s (significa o mesmo que o exemplo anterior)
c)    1Cor 4, 6-13 (primeira carta de aos Coríntios, capítulo 4, versículos seis, sete, oito, nove, dez, onze, doze e treze).
Para aprendermos e não esquecermos mais devemos entender o que significa os sinais de pontuação inseridos nas citações:
Ø  A Vírgula ( , ) – serve para separar o capítulo do versículo. Ex.: Jo 11, 5 (livro de João, capítulo 11, versículo 5);
Ø  O ponto ( . ) – indica que a leitura não é sequenciada, mas que há saltos entre os versículos. Lê-se apenas os versículos que estão antes e após o ponto. Ex.: Jo 1,3.9 (Evangelho de São João, capítulo um, versículos três e nove);
Ø  O hífen (ou traço) – ao contrário do ponto (item anterior) indica que devem ser lidos todos os versículos que estão no intervalo citado. Ex.: Jo 17,20-26 (Evangelho de São João, capítulo dezessete, versículos de vinte a vinte e seis). Devem ser lidos todos os versículos do 20 ao 26.
O hífen ou traço pode também indicar uma sequência de capítulos.
Exemplo: Jo 17,20-18,12 (Evangelho de São João, do capítulo dezessete, versículo vinte até o capítulo dezoito, versículo doze). O começo da leitura é o capítulo 17 versículo 20 e continua lendo até chegar ao versículo 12 do capítulo 18.
Ø  O ponto e vírgula ( ; ) – separa uma citação de outra que pode estar no mesmo livro ou em livros diferentes. Ex.: Jo 1,3;16,10 (pede para ler o versículo 3 do capítulo 1 e o versículo 10 do capítulo 16 do Evangelho de João) .
Mais um exemplo: Sl 110, 10; Eclo 1,16 (indica a leitura do versículo 10 do Salmo 110 e o versículo 16 do capítulo 1 do livro Eclesiástico);
Ø  Os parênteses ( ) – abrangem textos iguais ou praticamente iguais à citação anterior. É comum no caso dos Evangelhos sinóticos. Ex.: Pr 1, 7 (9, 10; Sl 110, 10; Eclo 1, 16) – quer dizer o que consta no Livro dos Provérbios, capítulo 1 versículo 7 representa a ideia ou palavra que também pode ser encontrado no Salmo 110, versículo 10 e no Livro do Eclesiástico, capítulo 1, versículo 16;
Ø  Uma letra “s” – indica a leitura do versículo imediatamente seguinte ao número indicado. Ex.: Gn 15, 16s (indica o livro do Gênesis, capítulo 15, versículos 16 e 17, ou seja, capítulo 15 versículos 16 e o seguinte). Também pode ser representado da seguinte forma: Gn 15, 16 – 17. Totaliza a indicação de dois versículos.
Ø  Duas letras esses (“ss”) – indica a leitura dos dois versículos imediatamente seguintes ao número indicado. Ex.: Gn 15, 16ss (indica o livro do Gênesis, capítulo 15, versículos 16, 17 e 18, ou seja, capítulo 15 versículos 16 e os dois seguintes). Também pode ser representado da seguinte forma: Gn 15, 16 – 18. Totaliza a indicação de três versículos. Para a indicação de mais de três versículos utiliza-se o hífen (traço).
Ø  Quando o versículo não é indicado – significa que a referência foi feita ao capítulo inteiro. Neste caso a vírgula não é utilizada, mas os demais sinais continuam com o mesmo significado. Ex.: Sl 94ss ou Sl 94 – 96 (Salmo 94 e os dois seguintes).
Ø  Letras (a, b e c) – quando se encontrar uma destas letras após a citação do versículo é indicação de leitura ou citação de parte do versículo. Cada versículo pode ser dividido em até três partes: a primeira (a), a segunda (b) e terceira (c). Ex.: Gn 5, 13b (referência feita ao livro do Gênesis, capítulo 5, segunda parte do versículo 13). Facilita a localização da frase em um versículo que pode ser composto de três frases. Não são todas as edições que se utilizam das letras.
Ø  Um só capítulo – quando o livro tem apenas um capítulo o número do capítulo pode ser omitido, citando apenas o versículo. Ex.: Jd 3 (carta de São Judas versículo 3). Pode ser confundido com a regra que diz que o número após o nome abreviado do livro é o capítulo, mas nunca se achará o capítulo 3, pois não existe. Lembre-se então desta regra.
Espero ter ajudado alguém com esta postagem.

Texto tirado do blog Papo Católico: http://papocatolico.blogspot.com.br/